Redação 1ª Colocada
Autor: Lucianna Oliveira e Souza
Escola Livre Porto Cuiabá


A sociedade, durante muito tempo, manteve-se a mesma, conservadora, exigindo que cada pessoa seguisse um exemplo de modo de vida, de atitude. A família era sempre um exemplo de modo de vida, de atitude. A família era sempre formada pelo pai que sustentava a todos e a mãe que cuidava da casa e educava os filhos: vários filhos, que por sua vez não podiam ter opinião diante dos pais.

As crianças, sempre criativas, construíam seus próprios brinquedos e brincadeiras, usando para isso imaginação e tudo o que estava ao seu alcance.

O jovem sempre estudando. Se fosse homem estudava para seguir a profissão do pai, e continuar aquilo que ele havia conseguido, se fosse mulher, estudava, mas era educada pela mãe para aprender a cozinhar, arrumar e criar seus filhos. Raras eram as que trabalhavam fora. Normalmente se tornavam professoras. Os jovens que procuravam expressar o que pensavam eram malvistos pela sociedade e muitas vezes reprimidos. As pessoas que tinham coragem de ser diferentes, sair do padrão, começaram a conseguir mudar a sociedade e seu modo de pensar.

Hoje a sociedade está mais aberta a tudo que é novo e diferente. Com isso tornou-se mais liberal.

As várias formas de atitude, de se vestir, de falar, de amar, são mais aceitas. A tecnologia proporcionou maior comunicação entre as pessoas, porém trouxe sedentarismo, crianças sem imaginação para brincar e o desemprego, porque nas fábricas as pessoas estão sendo substituídas por máquinas. O desemprego gera pobreza, e a falta de dinheiro faz as pessoas praticarem coisas ruins, gerando violência e mortes.

A mulher ganhou espaço no mercado de trabalho, abandonando os filhos, já que o marido também trabalha.

E o que aconteceu com as crianças? Hoje, muitas ficam em casa sozinhas ou com alguém que cuide delas, mas que não consegue substituir o lugar de seus pais.

O jovem ganhou mais espaço na sociedade, tem a sua vez de falar, de agir. Apesar disso, muitos se envolvem com drogas, talvez por problemas na família, como a separação dos pais.

Hoje a família está acabando, os casais não procuram mais ter uma família grande, com muitos filhos. Os casamentos não são mais eternos. O amor não é mais prioridade. As doenças como a AIDS aparecem por falta de amor.

O mundo se encontra em uma situação caótica. Guerra por todos os lados, e por quê? Ganância, sede de poder. As florestas estão acabando, os animais sumindo, os mares e o céu sendo poluídos, a camada de ozônio com um buraco cada vez maior: a falta de amor pela natureza é grande.

Com todos os esses fatores, como será o nosso futuro?

Será que a tecnologia tomará conta de tudo? Cientistas trabalharão dia e noite para descobrir como criar a água, como limpar o ar? E a família, será que existirá ou as pessoas não se amarão e vão apenas procriar?

A busca pelo conhecimento talvez ultrapasse as barreiras e consiga mudar o mundo. As poucas pessoas que ainda viverão normalmente serão raras, talvez nem existam. Mas será que conseguirão fazer com que o mundo volte a ter paz para se viver, para ser feliz? Será que o amor ainda existirá?



Redação 2ª Colocada
Autor: Elise Duarte Nadaf
Escola Livre Porto Cuiabá


Se você pudesse escolher, em que geração gostaria de nascer? Na antiga ou na atual?

Cada uma tem suas características, seu grau de evolução e liberdade, suas vantagens e desvantagens.

Antigamente as coisas eram menos evoluídas, a medicina muito mais precária e as informações não chegavam às pessoas. Mas será que evoluir só nos trouxe benefícios?

Com a evolução de certos eletrônicos, as máquinas passaram a ocupar o lugar do Homem, os brinquedos estão dominando a cabeça das crianças e as pessoas estão se tornando cada vez mais materialistas, pois sempre almejam o mais moderno e prático.

A família está muito mais desunida, o pai e a mãe trabalham o dia todo, os filhos são criados pelas babás com pouco amor e atenção. Antes o pai era o responsável pelo sustento da casa, a mulher sequer estudava, cuidava somente do lar e dos filhos, que eram muito mais apegados aos pais. As pessoas eram muito mais religiosas e os casamentos eternos.

Hoje em dia, os casais são mais liberais e já aceitam a separação como uma coisa absolutamente normal. Os pais acolhem a opinião dos filhos e estão lhes dando muito mais liberdade.

As crianças com 6, 7 anos, já possuem celular, computador. Não seria esse um jeito para os pais dividirem a sua responsabilidade? Pois com um celular localizam seus filhos imediatamente. E será que um computador ou jogos modernos e caros substitui o amor? A atenção?

As pessoas estão muito vaidosas, preocupando-se somente com a imagem ao invés de se importarem com os valores reais, seus valores internos.

E agora, será que você já consegue escolher quando gostaria de nascer? Infelizmente essa escolha nós não temos. A próxima geração não escolherá nascer, e realmente eles não merecem sofrer as conseqüências de atitudes erradas que estamos tomando hoje.

Vamos transformar nossos erros e tentar proporcionar um futuro melhor do que aquele que recebemos, para as gerações futuras.



Redação 3ª Colocada
Autor: Rafaela Fazoli Okada
Escola Livre Porto Cuiabá


Infância e juventude, as melhores épocas da vida. Ao menos é o que dizem os adultos, os mais velhos, enfim todos que já passaram por essa experiência.

O tempo não volta e faz as coisas se transformarem. Tudo muda com o tempo: as famílias, as relações, as pessoas.

A juventude dos meus avós, até a dos meus pais, foi muito diferente da que está sendo a minha. Antes, os jovens não podiam opinar nas decisões; hoje em dia, geralmente o que nós pensamos conta. Porém, embora possamos nos expressar melhor, estamos perdendo os nossos valores, perdendo o respeito pelas pessoas, até mesmo por nossos pais. Aqueles que se dedicam para o nosso aprendizado, nossa educação e desenvolvimento.

As famílias estão diminuindo, mas isso não seria problema se elas não estivessem se distanciando. A tecnologia está fazendo com que as crianças prefiram passar horas em frente do computador, a sair, brincar ao ar livre, exercitar-se, usar todo o potencial do seu corpo.

O jovem de hoje em dia tem muito menos responsabilidades. Ajudam, mas não como em outras gerações. Agora se preocupam em serem iguais. Quanto mais iguais a todos forem, melhor aceitos seremos. A sociedade impõe o que devemos ser, o que devemos fazer, o que devemos pensar, e se não fizermos as coisas de acordo, seremos mal compreendidos.

É difícil mudar. Somos o que todas querem que nós sejamos: mais um no meio de todos, com os mesmos atos, as mesmas idéias. Se as gerações continuarem assim, o estrago vai ser tamanho que será irreversível.

Vamos fazer com que sejamos lembrados como a geração das mudanças. Vamos mudar nossa maneira de pensar e agir e deixar para as gerações futuras tudo que faltou para a nossa.



Redação 4ª Colocada
Autor: Juliana Rizzini de Sá
Escola Livre Porto Cuiabá


Cada geração teve, tem e terá suas dificuldades e isso é só o que diferencia cada uma delas, pois sempre a vontade, mesmo que seja de poucas pessoas, é de lutar por um mundo de direitos iguais, um mundo melhor.

Antigamente, a família era maior e constituída de muitos filhos, o homem mandava e a mulher era criada para casar e cuidar da casa. Hoje em dia, o custo de vida é muito alto para criar mais de três filhos, porém a educação já não é tão rígida, temos diálogo e não usamos mais a palmatória. Os direitos das mulheres mudaram, são mais independentes e cada vez mais se tornarão. Mas, apesar de ela ter conquistado essa independência há algum tempo, ainda existem aqueles que têm o preconceito de que “lugar de mulher é na cozinha”.

O que mudou também, para melhor, foi a estimativa de vida para os seres humanos, com a tecnologia da medicina avançando cada vez mais e a descoberta de curas e prevenção facilitando e prolongando as nossas vidas. Com isso imaginamos: conseguiremos viver mais de 200 anos? Quem sabe, talvez! Mas para que se perdermos a esperança de que existem pessoas boas e que juntas podem e poderão mudar o mundo?

Hoje em dia as pessoas estão se tornando superficiais, tanto por dentro, como por fora. Não temos mais tempo para um amigo, para sentar na frente da casa com os vizinhos e ficar até altas horas conversando, como faziam nossos avós. Agora a criança só quer saber de jogos eletrônicos e a juventude está se tornando muito precoce: muitos adolescentes e crianças fazem o que o adulto faz. E, por fora, na aparência, a busca pela beleza idealizada, cega as pessoas, que fazem de tudo para estar nesse padrão, só se preocupando com isso, tornando-se fúteis, sem pensamento próprio, fazendo parte da grande massa existente em todo o mundo.

A qualidade de vida está melhorando cada vez mais, o luxo, o conforto, a comodidade, fazendo com que não busquemos, que nos acomodemos, aceitemos as idéias dos outros, sem ao menos pensar em contestar, ficando com preguiça de pensar se aquilo é bom. E, quando pensamos, só olhamos para nós mesmos, tornando-nos egoístas.

De cada geração fica algo de bom ou ruim. Cabe a nós decidir seguir ou não.



Redação 5ª Colocada
Autor: Brenda Alves de Vasconcelos
Escola Dom João de Lara


Nos dias atuais, tanto a família quanto a sociedade vêm sofrendo diversas transformações. Antigamente o pai saía para o trabalho em busca do sustento da família, enquanto a mãe ficava em casa cuidando dos afazeres domésticos e dos filhos. Para a sociedade esta era a obrigação da mulher.

Em virtude do custo de vida ter se elevado consideravelmente, a mulher teve que deixar sua casa e ir em busca de um emprego para ajudar no sustento familiar.

Com isso houve um aumento do número de mulheres tendo que estudar e se especializar, uma vez que o mercado de trabalho valoriza o trabalho masculino. Assim a mulher conquistou seu espaço na sociedade e na Política.

Em contrapartida, os filhos passam a ser criados por outras pessoas, como babás, avós, tios, vizinhos, até mesmo alguns ficam sozinhos. E desde a infância muitas crianças já apresentaram uma carência por falta dos pais, problemas de aprendizagem, de relacionamento com colegas.

Já muitos filhos adolescentes, sem uma orientação necessária, partem em busca de drogas e este caminho muitas vezes é irreversível.

Atualmente, nossa sociedade apresenta muitos problemas familiares, tanto financeiros, ou separação dos pais, violência em casa, falta de diálogo, isso tudo acaba prejudicando a vida dos filhos que sofrem e muitas vezes gritam socorro de diversas formas, como o uso de drogas, e os pais não compreendem.

PATROCINADORES




Associados ASSOCIADOS

Acesse sua conta através de seu e-mail e senha.




INÍCIO|INSTITUIÇAO|CONGRESSOS & OUTROS EVENTOS|FALE CONOSCO

   
© Copyright 2010, SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA

SBP - Sede
R. Santa Clara, 292 
Rio de Janeiro - RJ 
CEP:22041-012  
Fone: 21-2548-1999
Fax: 21-2547-3567

FSBP
R. Augusta, 1939/53 
Sao Paulo - SP   
CEP:01413-000
Fone: 11-3068-8618 / 8901 /
8675 / 8595
Fax: 3081-6892

SBP - RS
R. Carlos Gomes, 328/305 
Porto Alegre - RS   
CEP:90480-000
Fone: 51-3328-9270 / 9520

SBP - MG
Padre Rolim, 123/301 
Belo Horizonte - MG 
CEP:30130-090
Fone: 31-3241-1128 / 1422

SBP - DF
SRTN 702 Conj. P 2106 a 2108
Brasília - DF
CEP: 70719-900
Fone: 61-3327-4927 / 3326-5926